Logotipo do CBCD - Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva
CBCD

Hepatectomia: Entenda como funciona a Cirurgia do Fígado

24/05/2022

Hepatectomia é a cirurgia realizada para a retirada de uma parte ou da totalidade do fígado, visando tratar as doenças que podem afetar o órgão.

No post de hoje, vamos falar um pouco mais sobre a hepatectomia para que você entenda como ela funciona. Acompanhe!

Quais os principais tipos de Hepatectomia?

Conforme dissemos, o objetivo da hepatectomia é a remoção de uma parte ou da totalidade do fígado.

Mas, embora esse seja sempre o intuito, existem alguns tipos diferentes dessa cirurgia, cuja indicação dependerá do volume e da parte do órgão a ser retirado. O fígado é constituído de dois lobos (direito e esquerdo) e estes são divididos em vários segmentos, numerados de um a oito. É possível remover um ou vários segmentos em diversas combinações. 

Entre os tipos principais, podemos destacar:

Hepatectomia total

Procedimento realizado em casos de transplante de fígado. Consiste na remoção total do fígado que é substituído por outro, proveniente de um doador com morte encefálica ou de uma parte de outro, proveniente de um doador vivo.

Hepatectomia direta

É feita a retirada do lobo direito do fígado. 

Hepatectomia esquerda

Quando apenas o lobo esquerdo do órgão é removido na cirurgia.

Segmentectomia

Quando apenas um segmento do fígado é retirado.

Trisegmentectomia direita

O lobo direito e a metade medial do lobo esquerdo do fígado são retirados.

Lobectomia lateral esquerda

Quando os segmentos 2 e 3, correspondentes à metade lateral do lobo esquerdo, são removidos na cirurgia.

O procedimento pode ser realizado tanto por via aberta, com uma incisão na parte superior do abdômen, quanto por via laparoscópica ou robótica, que são técnicas menos invasivas.

Quando a Hepatectomia é indicada?

Geralmente, a hepatectomia é indicada para o tratamento de cistos, nódulos ou tumores primários do fígado, ou de metástases hepáticas, que são tumores malignos (câncer) de outros órgãos que desprendem e vão pela corrente sanguínea  implantar no fígado.

É possível viver sem uma parte do fígado?

O fígado possui a capacidade de se regenerar, então, quando é retirada uma parte dele, já começa o processo de recuperação e multiplicação de suas células. 

Assim sendo, a resposta é sim, a pessoa que tem uma parte do fígado removida, independente da sua idade, consegue sobreviver sem riscos.

Em pacientes com fígado normal e em bom estado de saúde, é possível retirar até 80% do fígado, pois os 20% restantes são capazes de hipertrofiar e regenerar. Em pacientes com cirrose, a quantidade que pode ser removida é menor, em torno de 60%, porque a capacidade de regeneração está prejudicada. Nessa situação, muitas vezes, o transplante com a remoção de todo o fígado doente e a troca por um, ou parte de um, com função normal é a melhor opção. 

Gostou do conteúdo? Foi esclarecedor? Deixe um comentário!

Conhece alguém que precisa saber sobre a hepatectomia? Compartilhe!

Foto do Dr. Agnaldo Soares Lima.
Sobre o autor
Dr. Marcelo Dias Sanches
Professor Associado do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da UFMG Coordenador do Instituto Alfa de Gastroenterologia - IAG - HC/UFMG Coordenador do Grupo de Fígado, Pâncreas e Vias Biliares - IAG - HC/UFMG Membro Titular Especialista do CBCD
Está precisando de um Cirurgião Digestivo na sua região?
Busque um especialista clicando aqui!
Doutores | CBCD

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira o Instagram do CBCD!
/cbcdigestivo
Siga o CBCD no Instagram!

Desenvolvido por Surya Marketing Médico.

Direitos reservados CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva © 2024
Site atualizado em:
16:06 | 21/02/2024
magnifiercross linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram